Download PDF

Depois do Crossland o Opel Grandland X enfrenta os SUV médios aos quais e em breve se juntarão as versões híbridas

O outro SUV da Opel

Na sequência da integração da Opel no Grupo PSA, vão-se sucedendo os modelos ‘geminados’ com os parceiros de marca ou segmento. No caso do Grandland X, entre nós comercializado desde os finais do ano transacto, foi criada a diferenciação, mantida a sobriedade e enfatizadas algumas das qualidades expectáveis para um SUV que não chega aos quatro metros e meio (4.477 mm). Uma destas tem a ver com a volumetria da bagageira que vai dos 514 aos 1.652 litros e concede um comprimento máximo de 1.676 mm quando rebatidos os assentos traseiros. No tocante a acessibilidades, o piso da bagageira está a 866 mm do solo, cota que pode não facilitar a movimentação de objectos mais volumoso ou pesados. No entanto, quando analisamos as cotas de altura, tanto do automóvel (1.609 mm) como dos assentos, damos conta de muito boas acessibilidades, tanto aos lugares dianteiros como traseiros e o mesmo acontece com as cotas de habitabilidade. O Grandland X faz jus à designação e concede bom espaço ao nível da cabeça, ombros e pernas, acontecendo o mesmo no que diz respeito à protecção, mediante a existência de “airbags” frontais, laterais e de cortina, estes últimos disponíveis para os passageiros dos lugares dianteiros e traseiros. Por 500 € é possível obter o conjunto “pack safety” que inclui, alertas de cansaço para quem conduz, colisão dianteira iminente, travagem automática de emergência e aviso de saída de faixa de rodagem e automatismo na respectiva correcção. Na versão conduzida fomos encontrar como opcionais, entre outros, o tejadilho panorâmico em vidro (700 €) e os grupos ópticos dianteiros “led afl” com comutação automática máx/médios (1.200 €). No capítulo da manutenção programada, os intervalos são de dois anos ou 60.000 km com inspecções intermédias aos 30.000 km. Ainda em relação ao Grandland X que conduzimos, destaque para um preço final que inclui 3.750 € de opcionais.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp

iuc

34.490

146,79

*

Bons acessos e um habitáculo pleno de sobriedade e espaço

Como referimos a acessibilidade é um dos pontos fortes do Grandland X que concede boas cotas de habitabilidade e alguns espaços de arrumos. Para quem conduz, os diversos ajustes concedem uma boa posição de condução, na qual não falta o acerto dos ângulos do assento e apoio de costas. Em termos de visibilidade para o exterior, esta é satisfatória para a frente, boa nas laterais e condicionada pelo pilar ‘C’ de uma volumosa traseira. Na condução demos conta da existência de sensores à frente e atrás, enquanto para as manobras de marcha-atrás, a possibilidade da visualização e a rotação dos espelhos retrovisores, permite estacionar com facilidade e evitar as diversas armadilhas municipais, como os pilaretes, esferas ou passeios terminados em cunha.

 

O Diesel 1.5 não concede brio digno de destaque, mas proporciona andamentos muito agradáveis sendo modesto nos consumos de gasóleo. Bem escalonada e com agradável manuseamento, a transmissão permite explorar a amplitude de potência e binário, às quais se juntam bons desempenhos dinâmicos das direcção, suspensões e travões equipados com ABS+EBD. O controlo de estabilidade ESP Plus e a assistência de arranque me subidas, complementam um painel de sistemas que contribuem para a funcionalidade de utilização.

Gostámos – Gostámos +
– Visibilidade para a traseiras

– Acesso à bagageira

– Comportamento dinâmico

– Conforto de rolamento

– Equipamento de série/segurança activa

– Consumos combustível/autonomia

– Acessos e habitabilidade

Características técnicas

Opel Grandland X 1.5 TD Innovation
motor 4 cil, 1.499 cc, inj dir, SCR+Adblue+ FP s/manutenção
potência kW(cv)/rpm 95,6 (130,0)/3.750
binário Nm (kgm)/rpm 300,0 (29,4)/1.750
transmissão dianteira, manual com seis relações
jantes – pneus 18” – 225/55 R 18

O outro SUV da Opel