Download PDF

Os números do Giulia e as letras do Alfa

Antes de falar do Giulia, achamos de elementar justiça, recordar uma outra “berlina” colocada no mercado em Maio de 1985. Destinado a substituir o Giulietta, o 75 rapidamente se tornou referência na marca milanesa. Desenhado pelo mesmo estilista que criou o 33, o 75 foi um sucesso comercial e relançou a Alfa Romeo no mercado dos três volumes, quatro portas, tracção traseira e características desportivas. No entanto, volvidos sete anos, a marca de Milano foi adquirida pelo grupo de Torino, colocando um ponto final no modelo, que também serviu para celebrar os 75 anos da Alfa Romeo. Depois de duas décadas a escolher números, eis que voltam os nomes e assim reaparece o Giulia, com uma invejável paleta de motorizações. Num breve contacto ao volante, tivémos a oportunidade de conduzir o novo 2.2 Diesel de 180 cv+AT8 cuja análise de ADN, revelou as características de um DNA muito próprio. Por outras palavras e seguindo as tendências linguísticas, podemos dizer que estamos em presença de um automóvel ‘bipolar’.

Uma das ‘polaridades’ está num automóvel familiar com mais de quatro metros e meio de comprimento (4.640 mm) e habitabilidade em consonância com as dimensões, mesmo com as acessibilidades condicionadas pela altura, inferior a metro e meio (1.440mm) e alguns ângulos nos pilares ‘A’ e ‘C’. O rebatimento assimétrico dos assentos traseiros (40/20/40), permite ganhar algum espaço a acrescentar aos 480 litros da bagageira, cujo acesso não é dos melhores na classe.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp*

iuc

32.961,89

6.545,51

9.087,81

1.045,00

58.646,81

221,70

* inclui 8.780,00 € de opcionais

 

Requintado no interior o Giulia reflecte algum cuidado na escolha dos materiais e finalização

A lista de opcionais é vasta, mesmo considerando que na unidade que tivémos oportunidade de conduzir, não tenhamos encontrado alguns dos mais modernos itens, como a projecção no pára-brisas de algumas funções e dados “head-up display” ou uma maior profusão de “leds”. No entanto e no equipamento de série, entre outros, destacamos o áudio (Alfa connect) com mp3+aux-in+bluetooth, visor de 6,5”, ar condicionado bi-zona, faróis bi-xénon adaptativos com lava-faróis, acelerador automático adaptativo com limitador e avisador de colisão frontal. No tocante à segurança activa, encontrámos o sistema autónomo de travagem de emergência e aviso de saída da faixa de rodagem. Dentre os opcionais, destaque para o porta-luvas refrigerado, comando eléctrico para os assentos dianteiros, sensores de estacionamento à frente e atrás além da visualização da marcha-atrás, faróis bi-xénon adaptativos com lava-faróis e apoios dos pés em alumínio.

E a propósito de alumínio e materiais leves, demos conta que este Giulia não chega aos 1.500 kg de peso, justamente pela aplicação do alumínio em muitos dos painéis da carroçaria e no bloco do motor que pesa menos de 10% deste Alfa. E quanto ao Carbono, este marca presença no veio de transmissão que agora pesa metade face aos anteriores em aço.

 

Uma questão de DNA

A cada uma das posições ‘D’ ‘N’ e ‘A’ correspondem cores. Tanto para o modo A como N, a escolha recaiu em cores mais neutras, de acordo com as ‘restrições’ impostas pelo sistema. Aos comandos, o Giulia fica mais suave, enquanto os agregados mecânicos/sistemas como o controlo de estabilidade, a direcção e o acelerador, tornam tudo mais suave. Ao optar pelo modo ‘dinâmico’ o vermelho toma conta da infografia apresentada no visor e o painel de instrumentos, deixa antever o que se vai passar. Tudo passa a ser mais reactivo. Desde a resposta do acelerador, reacção do motor, sensibilidade da direcção, tudo se transforma na outra ‘polaridade’ deste “cuore sportivo” de silhueta familiar. O desempenho das suspensões “multilink” concede um comportamento notável, mesmo quando se começa a exigir dinamismo nas curvas. A travagem, é outro dos pontos em que o Giulia nos deixou com boas impressões. Progressiva no pedal e eficiente na acção, concede confiança num automóvel que se torna previsível, tanto em percursos acidentados e sinuosos, como quando vamos buscar os miúdos à escola.

Gostámos – Gostámos +
– Ângulos de visibilidade

– Acessibilidades habitáculo/bagageira

– Comportamento dinâmico (DNA)

– Conforto de rolamento

– Consumos de combustível/autonomia

– Refinamento na condução

– Escalonamento/Funcionamento AT8

Características técnicas

Alfa Romeo Giulia 2.2 TD AT8

motor

4 cil-16V, 2.143 cc, TGV, Inj Dir, EGR duplo, FP

potência kW(cv)/rpm

132,0 (180,0)/3.750

binário Nm (kgm)/rpm

380,0 (37,2)/1.500

transmissão

traseira, auto de oito relações

jantes – pneus

18” – T225/45/9J e T225/45/8J run flat (opcional)

Os números do Giulia e as letras do Alfa