Download PDF

A nova carrinha Megane aumentou em diversas cotas, proporcionando mais espaço no habitáculo. A par do aumento de dimensões, também demos conta de mais equipamentos e sistemas, alguns dos quais já conhecemos dos Espace e Talisman. A sigla GT é justamente aplicada.

Face ao modelo anterior, a quarta geração Megane está mais baixa (- 58 mm) mas cresceu no comprimento (+ 45 mm). A distância entre-vias aumentou ligeiramente (+9 mm) sendo mais evidente o aumento das vias dianteira (+ 45 mm) e traseira (+ 39 mm). As novas cotas traduzem, de imediato, benefícios na acessibilidade e habitabilidade no interior. E nem precisamos de fita métrica. A percepção de que a Megane cresceu é evidente. E na versão GT 205 que conduzimos, há mais evidências. Uma destas, tem a ver com a possibilidade de encontrar ‘novos’ equipamentos e sistemas. A assistência ao estacionamento, a travagem activa associada ao acelerador automático adaptativo com alerta de distância de segurança, são alguns dos requintes nesta carrinha, que também pode ter pneu de reserva. O multi-sense e o 4 control complementam as experiências de condução. O primeiro concede a parametrização da sensibilidade ao volante, enquanto o 4control beneficia o comportamento dinâmico, mediante as quatro rodas direccionais. No tocante à modularidade, a bagageira de concede 521 dm³ (580 litros) e além do rebatimento dos assentos traseiros, o banco do pendura também rebate, e permite chegar aos 2,70 metros de comprimento utilizável.

Preço-base

ISV

IVA

Despesas

P.V.P

IUC

24.497,55

4.852,05

6,750,41

36.100,00

 

As dimensões aumentaram no exterior e beneficiam a habitabilidade e volumetria.

Como já referimos as dimensões da Megane aumentaram, e um dos benefícios tem a ver com a acessibilidade ao interior. Todavia, na GT e devido à dimensão e ângulo das almofadas exteriores dos assentos dianteiros, a cota de acesso diminui, em especial quando o acerto dos assentos, (na regulação em altura) é feito em posição intermédia ou alta. Para quem conduz, os diversos ajustes permitem encontrar uma boa posição de condução, bem apoiada, e com bom acesso aos comandos. No entanto, o comando satélite do áudio continua escondido atrás do volante, onde fomos encontrar duas enormes patilhas para comando manual da transmissão, que também permitem fazer arranques do tipo ‘grelha de partida’. Em ambos os casos, e quando se está a rodar o volante, é facil tocar involuntariamente em qualquer um destes comandos e destabilizar o rádio ou alterar a relação de transmissão. Agora vertical, o visor informativo pode ter 7 ou 8,7” e nos diversos menus e sub-menus, o Rlink-2 concede melhor leitura, num sistema que continua a ser pouco intuitivo. É verdade que muitas das configurações precisam de ser efectuadas uma única vez, mas a climatização, navegação ou áudio, são frequentemente solicitados e neste ponto, achámos pouco intuitiva a articulação dos menus e sub-menus. Mais abaixo, a tecla RS Drive faz esquecer tudo o que foi dito, e permite lembrar que este 1.6 pode debitar 205 cv.

 

A sigla GT no exterior faz justiça à função RS Drive, que permite arranques fulgurantes e a gestão dos 205 cv

Se pensarmos na potência deste 1.6 a gasolina, e nos deixarmos cativar pelo habitáculo, quase se torna difícil acreditar que num breve contacto ao volante, chegámos aos 7,5 l/100 km a uma média de 47,0 km/h, e com umas acelerações e reprises à mistura. É que esta Megane GT concede vários andamentos e sempre com notável flexibilidade na utilização: permite uma condução calma, e a tirar partido da suavidade da transmissão EDC; concede entusiasmantes reprises mediante recurso ao comando manual da transmissão, seja por via do selector ou das patilhas colocadas atrás do volante. Ao premir a tecla “RS Drive” o painel passa a tons de vermelho, o motor sobe de rotação, enquanto as acelerações suplantam as sensações. Em termos de comportamento dinâmico e face à anterior geração, está melhor. Muito melhor. Esta GT define as rectas e transforma as curvas, tornando desafiantes a eficácia dinâmica e as perfomances da motorização.

 

 

Gostámos –

Gostámos +

– Operacionalidade no RLink2

– Alguns ângulos de visibilidade

– Comportamento dinâmico

– Sistemas de segurança activa

– Conforto de rolamento e ergonomia

– Multiplicidade de escolhas na utilização

– Habitabilidade e modularidade

Ficha técnica

Renault Megane Sports Tourer GT 205 EDC

motor

4 cil, 1.618 cc turbo+inj directa

potência kW(cv)/rpm

151 (205)/6.000

binário Nm(kgm)/rpm

280 (27,4 )/2.400

transmissão

automatizada de sete relações

Jantes – pneus

18” – 225/40 R 18