Download PDF

Renault-Clio-4-geracoesCom 13 milhões de unidades vendidas ao longo de quatro gerações, o Renault Clio é o automóvel de todos os superlativos: o modelo francês mais vendido de todos os tempos, o primeiro a conquistar por duas vezes o cobiçado título de Carro do Ano Europeu, líder do segmento na Europa em 2014 e 2015 (total de veículos de turismo e veículos comerciais ligeiros). Desde o lançamento que o Clio se impôs como o automóvel que justifica plenamente a assinatura publicitária: Grandes para quê?

Na mitologia grega, Clio é uma musa, cuja etimologia – Kleiố significa que é célebre. Um nome premonitório para o Clio, cuja notoriedade e sucesso se impuseram logo desde a primeira geração. Como substituto do Renault 5, o Clio foi apresentado como um pequeno automóvel polivalente, concebido e fabricado segundo os mesmos critérios de rigor dos grandes. Alguns clientes esperam mesmo que este pequeno automóvel lhes ofereça desempenhos e equipamentos topo de gama. Para responder a esta exigência, surge em 1991, o Clio Baccara. Uma requintada versão com estofos em couro, punho da alavanca de velocidades e elementos decorativos em raiz de nogueira, painéis das portas revestidos de couro e comandos cromados. A partir de 1998, o Clio Initiale substitui a versão Baccara e prossegue com a oferta topo de gama no Clio, geração após geração.

 

Clio I

Em 1990, o Clio media 3,71 m. Depois, foi crescendo de geração em geração, e hoje mede 4,06 m.

A primeira geração aparece dotada de ABS, ar condicionado, caixa automática eletrónica, alarme anti-intrusão, direcção assistida e retrovisores elétricos com função de desembaciamento. Em 1998, é lançada a segunda geração, que cresce sete centímetros e inaugura os motores de 16 válvulas. A segurança é colocada ao alcance de todos, dado que toda a gama dispõe de ABS e “airbags”, incluíndo os laterais. A terceira geração do Clio chega ao mercado em 2005. Maior (3,99 m) e mais confortável, o Clio III está extraordinariamente equipado. Além do cartão mãos livres, GPS e ainda regulador/limitador de velocidade, beneficia também do melhor nível de segurança activa e passiva, dispondo de oito “airbags”. Por isso, não é de admirar que tenha sido o primeiro automóvel da sua categoria a conquistar as 5 estrelas nos testes EuroNcap. É também o primeiro Clio a propor uma versão Break. Todas estas qualidades são novamente recompensadas com o título de Carro do Ano Europeu, recebido em 2006. Um acontecimento verdadeiramente excecional: nos 43 anos da história deste prémio é, pela primeira vez, atribuído por duas vezes a um mesmo modelo. Em 2012 a quarta geração do Clio, reaviva a chama e demonstra a sua capacidade de sedução, tudo isto com uma alma nova. Inspirado diretamente no “concept car” DeZir, o Clio IV é o primeiro automóvel a adotar a nova identidade visual da gama. Com a cor vermelho flamme e uma nova face dianteira, o Clio IV surge sob o signo da paixão e da sedução. Mantém a mesma exigência em termos de equipamentos, nomeadamente com o R-LINK, o tablet conectado e integrado a bordo. Em estreia mundial, o sistema de som bass reflex.

 

 

Em 1990, o Clio media 3,71 m. Depois, foi crescendo de geração em geração, e hoje mede 4,06 m.