Download PDF

Uma primeira vez para tudo

Pela primeira vez, a Peugeot, apresentou um novo modelo mas manteve a designação, com base na série 300, iniciada em 1932. Com o novo 308 e pela primeira vez, a marca francesa deixou de ter um automóvel que possa ser indexado aos franceses, apesar de ser construído no berço da marca em Sochaux, de onde sai 1/3 da produção da marca. O novo modelo da marca do leão, é pela primeira vez apresentado com a nova plataforma EMP2. E em relação ao 308 há mais novidades. Afinal, há uma primeira vez para tudo.


Para além da EMP2

Face ao anterior modelo o novo 308 está mais curto (- 20 mm) e mais baixo (- 50 mm) enquanto as vias estão mais largas. Entre-vias a plataforma cresceu (10 mm) e a EMP2 (Efficient Modular Platform 2) destaca-se pelo ganho de peso, neste caso de 140 kg, distribuídos pelos materiais, concepção e alguns agregados. Ao olhar para a nova plataforma, esta dá-nos a ideia de uma gaveta gigante, com as embaladeiras mais altas do que é habitual, com as rodas mais próximas dos topos e com uma gestão melhorada, no tocante ao posicionamento dos diversos agregados mecânicos. Para além do ganho em peso, a acessibilidade mecânica também melhorou e com esta, melhora também o tempo de intervenção, numa automóvel com revisões previstas a cada 25.000 km.

Os outros 25.000

A chegada do novo 308 vem revitalizar a oferta da Peugeot no segmento C, no qual tem obtido bons resultados! Em termos nacionais – e com uma estimativa de 100.000 unidades/ano – estamos a falar de um segmento cuja quota ronda os 36% e de um sub-segmento que atinge 45% de quota, quando se trata da preferência pelos modelos de quatro e cinco portas. No tocante à comercialização, este Peugeot terá três níveis e valores competitivos, mesmo se tivermos em linha de conta a limitação imposta às empresas.
Na versão menos dispendiosa (Access) já encontramos o ABS+REF+AFU+ESP, ar condicionado manual, acelerador automático, Rádio+CD+Mp3+Bluetooth com porta USB, sensor de pressão dos pneus e comando eléctrico para os vidros dianteiros. Em complemento e a pensar nas empresas, esta versão fica mais competitiva, mediante o “pack business” (495 €) que inclui apoio ao estacionamento traseiro, jantes 16” e comando eléctrico para os vidros traseiros. Quanto aos preços (€) das versões Access: temos 20.380 para o 1.2 Vti de 82 cv; 23.100 para o 1.6 Hdi de 92 cv; 24.200 no 1.6 e-HDi de 115 cv.

Interiores redesenhados

O volante é de menor dimensão face ao habitual e faz-nos lembrar o do 208, apesar de existirem pequenas diferenças. No painel de instrumentos, os ponteiros do velocímetro e conta-rotações convergem para o centro, ou seja o velocímetro, conta da esquerda para a direita, enquanto o conta-rotações, fornece a indicação do regime do motor, da direita para a esquerda. De acordo com os franceses, esta disposição contribui para a convergência da visualização e ajuda a manter os olhos na estrada.
Na que resta do painel, a parte superior está ‘limpa’ e quando começamos a analisar a consola, esta perdeu o estilo francês, onde pontuavam uma série de comandos negros e cromados. No novo 308, a gestão de espaço está melhor, com os comandos divididos por sectores, enquanto os estofos em tecido, contribuem para a sobriedade do conjunto. Todavia, este novo visual não significa que se tenha perdido o requinte, como fica comprovado nos estofos envolventes do Allure, ou nos revestimentos em couro ou couro/alcantara, estes últimos a figurar na lista de opcionais.

Aos comandos dos Diesel

Duas das propostas que tivémos oportunidade de conduzir, estavam equipadas com os 1.6 Diesel de 92 e 115 cv, dotados das mais recentes tecnologias, que já têm sucessor, mediante configuração Euro 6, depois de Janeiro de 2014.
Como é evidente, o 115 tem muito mais genica que o 92, mas nenhum destes nos deixou a ideia de que as acelerações ou reprises, deixem de ser agradáveis. Por um lado, o novo 308 é mais leve – como atrás referimos. Daí que a relação peso/potência saia beneficiada. Por outro lado, as transmissões de seis relações, estão muito bem adaptadas aos diversos tipos de andamento, mesmo quando se exige do 308, aquele toque de desportividade, a que a marca francesa apela frequentemente.
Contudo, em nossa opinião, o destaque recai sobre o comportamento dinâmico da via dianteira! Começa no volante de reduzida dimensão, a exigir menos esforço de quem conduz, passa pelo refinamento da caixa de direcção, evidencia-se pela eficácia das suspensões e termina na facilidade com que se conduz este novo Peugeot.
Por fim mas não menos importante e com base nos Diesel, a Peugeot propõe uma acção exclusiva para o lançamento. Para os clientes particulares que efectuarem uma pré-reserva em www.reservas-308.peugeot.pt, o importador propõe um “upgrade” de versão, que no entanto está limitado a 100 unidades.

Gostámos Mais

  • Refinamento da condução
  • Qualidade de construção
  • Materiais empregues
  • Equipamento de série
  • Segurança activa

Gostámos Menos

  • Acessibilidade traseira