Download PDF

01.10.2014, IAA, Impressionen

Na altura em que ainda se discutem os ‘critérios’ das sanções ibéricas, a Comissão Europeia, anunciou outro tipo de sanções para cinco dos sete maiores construtores europeus de pesados. Os números apontam para 2.930 milhões de euros, valor que segundo a Comissária Margrethe Vestager – é uma multa recorde para uma infracção grave. Os mais penalizados são os alemães da Daimler (1.008.766.000 €) seguidos dos holandeses da DAF (752.679.000 €) os suecos da Volvo Trucks e franceses da Renault Trucks (670.488.000 €) e os italianos da Iveco (494.606.000 €). Além de serem acusadas de actuar em cartel no tocante aos preços, as marcas são acusadas de atrasar a entrada em vigor do Euro 6, tudo isto mediante um pacto que durou de 1977 a 2011.

Salvam-se desta multa, a MAN por ter confirmado a existência de uma combinação entre as marcas, e a Scania por ter ficado de fora desta conjugação de interesses. No entanto, não deixa de ser curioso que sejam estas as marcas que ficam ‘dispensadas’ das sanções. Primeiro, por que ambas pertencem ao Grupo Volkswagen, alvo de todas as polémicas, sanções e coimas por causa das questões que envolveram o controlo das emissões. Segundo, por que no espaço de tempo a que a CE se refere (1977 a 2011) tanto a Scania como a MAN estiveram envolvidas em escândalos de vária ordem, tanto tecnológicos como financeiros. Recorde-se que o calendário dos Euros relativos às emissões ds gases de escape têm sido propostos pela CE, a mesma que estabelece os prazos de entrada em vigor para os veículos matriculados e construídos.