Download PDF

Os múltiplos ajustes na condução e suspensões, contribuem para que a FJR possa ser considerada uma verdadeira Sports Touring

Se existe moto à qual assenta que nem uma luva a designação “touring sport” a actual FJR 1300 é disso exemplo, tanto na versão AE que conduzimos, como na AS de transmissão automatizada. No caso da AE, o destaque recai sobre a possibilidade dos três ajustes na sensibilidade das suspensões, além das possibilidades de configurar a moto para circular com uma ou duas pessoas, e com ou sem malas. Estas são as características que confirmam a vocação de turismo “touring”. Na vertente mais desportiva, e para justificar o enquadramento “sport”, o motor de quatro cilindros e 146 cv, concede uma boa relação peso/potência para os quase 300 kg de Yamaha – são 292 kg prontos a andar. Todavia, existe uma outra característica que ajuda à desportividade da FJR. Aliás, em bom rigor são duas: a cadeia cinemática; e o mapeamento do motor.

 

 

Na cadeia cinemática, tudo começa na embraiagem A&S (Assist & Slipper) que concede mais suavidade quando se aperta, e maior eficácia quando se larga, enquanto o motor concede uma notável suavidade de funcionamento, logo acima das 1.000~1.500 rpm. A suavidade constata-se tanto nas acelerações como nas reprises, enfatizando o bom escalonamento da transmissão de seis relações. Por fim mas não menos importante, a Yamaha ‘revitalizou’ o preço desta moto que, em edição 2019, está disponível em duas cores: “phantom blue” ou “tech graphite”.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp*

iuc

20.386,16

127,44

* sem despesas administrativas

Aos comandos a FJR permite vários ajustes. O guiador permite ajuste, tal como o vidro actuado por comando eléctrico, que pode ser mudado por outro maior (+ 103 mm altura), enquanto o banco pode subir 20 mm (de 805 para 825 mm ao solo) ou ser mudado por um banco mais confortável com recurso ao estofo em gel.

Com 1,80 metros de altura e por sentirmos o banco largo e pouco ergonómico nos topos, optámos pelo banco na posição mais baixa, para assim conseguir bom apoio no solo. Na frente, o volumoso depósito de 25 litros, permite encontrar uma boa posição para guiar, mesmo quando se enrola punho em busca dos 146 cv, ou quando se accionam os três discos, nos quais destacamos a progressividade e eficiência. Na condução e em cidade, demos conta do peso da moto e de um centro de gravidade relativamente alto, característica que torna a moto algo sensível às colocações do corpo ou apoios laterais. Em estrada ou auto-estrada, as sensações foram opostas. A primeira foi conseguida pela alteração da taragem das suspensões, colocadas na posição mais macia, para assim mitigar as irregularidades no piso urbano de Lisboa, entre lombas, buracos e regos.

A iluminação por “led” é um dos factores de modernização na FJR

Ao passar para a posição intermédia (normal/padrão) cedo percebemos que é um bom compromisso, entre conforto e algum prazer na condução. Ao optar pela afinação mais dura, percebemos as vantagens desta afinação em percursos mais acidentados e sinuosos, nos quais fomos explorando a potência do motor e a suavidade da transmissão. Quanto ao terrenos de eleição desta FJR 1300 AE, sem dúvida que a estrada e auto-estrada, permitem encontrar os melhores desempenhos dinâmicos. Todavia, os diversos ajustes para quem se senta aos comandos, também contribuem para uma boa utilização urbana, mesmo com malas laterais. O equilíbrio dinâmico de todos os itens que compõem a cinemática, os ajustes das suspensões, e a possibilidade de tornar o motor mais suave ou mais reactivo (S ou T) evidenciam a suavidade que, neste caso, se traduz em facilidade de condução.

Gostámos – Gostámos +
– Turbulências aerodinâmicas (estatura 1,80 m)

– Largura e ergonomia do banco

– Conforto de rolamento (ajustes suspensões)

– Comportamento dinâmico

– Informação painel de instrumentos

– Iluminação “led”

– Materiais e detalhes de finalização

Características técnicas

Yamaha FJR 1300 AE

motor

4 cil-16V – DOHC, 1.298 cc, D-Mode, TCS

potência kW(cv)/rpm

107,5 (146,2)/8.000

binário Nm (kgm)/rpm

138,0 (135,2)/7.000

transmissão

seis relações, por veio de transmissão

jantes – pneus

120/70 ZR17M na frente e 180/55 ZR17M