Download PDF

Face ao anterior modelo, o novo 508 GT Line é mais baixo e curto, concede melhores diâmetros de viragem e melhor acesso à bagageira

Na ampla escolha de familiares de cinco portas, são cada vez mais as silhuetas “coupé”. Estas permitem associar aos cinco lugares: alguma emoção para quem se sentar ao volante; boas habitabilidade e conforto para os passageiros; modularidade no habitáculo, e espaços para arrumos e bagagens. Para estas últimas, a modularidade da bagageira constitui um dos destaques, tanto pela acessibilidade como pela volumetria de 487 litros, extensíveis a 1.537 litros mediante rebatimento dos assentos traseiros. Mas há mais cotas que nos cativaram a atenção ao mesmo tempo que causavam ilusões de óptica. Devido à proporcionalidade das formas e linhas estilizadas, o 508 GT Line está mais curto e mais baixo. No comprimento total e apesar de ter a plataforma EMP2 (já conhecida dos Rifter e 308) o novo 508 está mais curto (- 80 mm) e mais baixo (60 mm). E face ao anterior modelo, as rodas estão mais próximas dos limites da carroçaria, agora nos 4.750 mm medidos de topo a topo. Ainda face ao anterior modelo, o novo 508 ganhou perto de metro e meio nos diâmetros de viragem, agora de 10,8 entre-passeios.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp*

iuc

31.853,92

6.594,87

8.843,15

47.300,00

255,71 €

*inclui sgpu+eco-valor = 8,00 €

 

Melhores que os acessos, a habitabilidade e o conforto beneficiam da qualidade dos materiais e boa finalização

Visto de lado e mesmo de traseira, dificilmente conseguimos avaliar que esta carroçaria é de cinco portas. Por ser comprido e com a altura a marcar menos de metro e meio (1.404 mm), os pilares ‘A’ e ‘C’ são bastante inclinados. Estes ângulos condicionam a acessibilidade, e no tocante à habitabilidade, esta é boa nos lugares da frente, enquanto na traseira se encontra condicionada, em especial na cota de altura (assento-tejadilho). Devido à forma “coupé” a cota posterior concede menos 38 mm face aos 881 mm dos os assentos dianteiros.

Uma vez no interior e em especial para quem se senta ao volante, o “i-cockpit” concede um volante de reduzidas dimensões, e uma profusão de comandos que traduzem o enriquecido equipamento de série, tanto ao nível das informações como nos sistemas de apoio à condução, com particular destaque para os que actuam na segurança activa. No entanto, em termos de ergonomia, e nos diversos ajustes (assento-volante), o volante acaba sempre por tapar uma parte do painel de instrumentos. E quando baixamos o volante, este acaba por interferir no espaço dos joelhos.

 

Além da eficácia e suavidade da transmissão automática de oito relações, aos comandos é possível seleccionar um dos quatro modos: Eco, Sport, Confort, Normal.

Depois de colocar o motor em movimento, de imediato identificamos a boa filtragem para o habitáculo, tanto em termos de ruído como de vibrações. A suavidade da direcção foi outro dos pontos que nos deixou a melhor das impressões, e o mesmo aconteceu com o desempenho das suspensões e travões. Por outras palavras, neste capítulo e à medida que íamos evoluíndo na viagem, começámos a perceber a razão que leva os franceses a falarem de segmento “premium”. Num percurso misto (AE+EN+Urbano) obtivémos um consumo de 7,9 litros/100 km à média de 42,5/km h e voltando ao tópico dos “premium” o comportamento dinâmico deste 508 está muito próximo dos Mercedes-Benz e Volvo, devidamente equiparados em termos de plataformas e motorizações. Em nossa opinião e no automóvel francês, alguns pormenores na ergonomia e utilização mais intuitiva de comandos e sistemas, ainda têm espaço para melhorar. Todavia, a habituação, chega para colmatar determinadas características.

Gostámos – Gostámos +
– acessibilidade ao habitáculo

– visualização do painel de instrumentos

– Comportamento dinâmico (4 modos)

– Conforto de rolamento

– Equipamento de série e segurança activa

– sistemas de apoio à condução

– Modularidade e espaços de arrumos

Características técnicas

Peugeot 508 GT Line 2.0 BlueHDi 160

motor

4 cil, 1997 cc Euro 6-Dtemp, DPF, SCR

potência kW(cv)/rpm

120,0 (160,0)/3.750

binário Nm (kgm)/rpm

400,0 (39,2)/2.000

transmissão

dianteira, automática de oito relações

jantes – pneus

18” – 235/45 R 18