Download PDF

A produção em 1953 cotava com 925 pessoas. Hoje são mais de 15.000 e com efeito multiplicador, gerando 100.000 postos de trabalho. Em 2019 ovolume de negócios foi de 11.157 milhões de euros

Um modelo que começou por ser um ícone da mobilidade italiana, chegou aos espanhóis através do INI – Instituto Nacional da Indústria e cedo se tornou num emblema nacional. Alinhada com o espírito europeu, a empresa preparou a internacionalização e abriu as portas aos alemães. Com projecção global, celebra 70 anos de uma emocionante viagem. A 09 de Maio de 1950 foi fundada a empresa que pôs Espanha sobre rodas e democratizou a mobilidade. A partir desse momento, e ao longo dos seus 70 anos de história, a SEAT sofreu uma profunda transformação e demonstrou uma capacidade constante de reinvenção. A única empresa automóvel que concebe, desenvolve, fabrica e comercializa veículos em Espanha, é o principal investidor industrial em I+D no país, representa 1% do PIB e exporta 80% dos veículos. Para o executivo da marca: ao longo dos seus 70 anos de história, a SEAT demonstrou a sua capacidade de se reinventar e enfrentar com sucesso os desafios que se lhe colocaram. Uma força transformadora que viu a SEAT crescer de um fabricante de automóveis para uma sólida empresa tecnológica e industrial, sublinhou Carsten Isensee

De Barcelona para o mundo

As portas da fábrica da Zona Franca abriram-se em 1953 com uma produção diária de cinco veículos SEAT 1400. Após 40 anos de produção de modelos icónicos da história da marca, como os 600 e o 127, a empresa decidiu construir uma nova fábrica, maior e mais moderna, transferindo assim a produção de Barcelona para Martorell a partir de 1993. Esta fábrica, que arrancou após um investimento inicial de 244.500 milhões de pesetas (1.470 milhões de euros), foi inaugurada com o lançamento da segunda geração SEAT Ibiza e do novo SEAT Cordoba, que foram produzidas à cadência de 1.500 unidades por dia. Actualmente, a empresa conta com três centros de produção: Barcelona, El Prat de Llobregat e Martorell, onde são fabricados os Ibiza, Arona e Leon. Além disso, produz o Ateca na República Checa, o Tarraco na Alemanha, o Alhambra em Portugal e o Mii electric, o primeiro veículo 100% eléctrico da SEAT, na Eslováquia. Até hoje, foram produzidos mais de 19 milhões de veículos SEAT.

a SEAT representa quase 3% do total das exportações da economia espanhola.

Desde que a empresa efectuou a primeira venda no estrangeiro em 1965, tendo a Colômbia como destino, a SEAT estabeleceu-se como o principal exportador industrial espanhol, representando quase 3% do total das exportações da economia espanhola. Actualmente, os veículos da SEAT chegam a locais tão diversos como a Nova Zelândia, o México e a Guiana Francesa. A evolução da SEAT ao longo dos últimos 70 anos tem sido exponencial, desde a concepção dos seus automóveis, passando pela produção, até ao volume das exportações. Actualmente e num cenário diferente ao da década de 50, quando a espera de um 600 chegava aos dois anos, o mesmo número de automóveis é produzido em três minutos. Através do serviço “fast lane” pode comprar um automóvel em 10 minutos com 5 cliques, e recebê-lo em menos de 21 dias.

 

Uma vasta e competitiva gama de produtos

Ao longo de 70 anos, a empresa automobilística lançou um total de 75 modelos, incluindo diferentes versões e gerações, entre eles alguns que marcaram um antes e um depois, começando em 1953 com o SEAT 1400, o primeiro veículo fabricado pela empresa, ou com o lendário SEAT 600, que foi apresentado em 1957 e logo se tornou um ícone de liberdade e mobilidade. Em 1984 chegou o primeiro Ibiza e em 1999 o Leon, que tem sido um sucesso de vendas desde o seu lançamento. De referir que em 2016 a empresa reforçou a gama, ao entrar no segmento dos SUV com os Ateca, Arona e Tarraco. Em 2019 a empresa anunciou o SEAT Mii electric, o primeiro veículo elétrico da marca. A evolução e modernização dos automóveis tem sido uma constante ao longo de todo o percurso, ao qual se acrescentou um desenvolvimento tecnológico em todos os aspectos do automóvel, desde os sistemas de segurança até à conectividade mais avançada. Além disso, como parte do compromisso da SEAT com uma mobilidade mais sustentável e amiga do ambiente, a empresa está numa forte ofensiva eléctrica. Neste sentido, lançará novos modelos híbridos eléctricos e “plug-in” em 2020 e 2021, que se irão juntar à versão eléctrica do SEAT Mii, já à venda. A nova geração Leon tem uma versão PHEV, tecnologia que se estende ao Tarraco PHEV e o recentemente lançado CUPRA Formentor, que terá uma variante híbrida “plug-in” eléctrica. Finalmente, o el-Born vai juntar-se ao Mii electric como o segundo veículo 100% eléctrico da empresa.

 

CUPRA, a capacidade da SEAT de se reinventar

Entre nós e na competição precisamos de recuar ao troféu Marbella, realizado anos depois de Carlos Sainz iniciar a sua carreira ao volante de um Seat Panda oficial. Hoje em dia a imagem desportiva cabe  uma marca. A Cupra sempre foi a maior expressão de desportivismo da SEAT desde o lançamento do Cupra Ibiza em 1996. Em 2018, a marca volta a colocar em cima da mesa a sua capacidade de reinvenção e cria a Cupra, com o objectivo de apresentar um projecto único, dando-lhe acesso a novos mercados e a novos clientes, que procuram um produto mais especial, e que irá contribuir para aumentar a margem de contribuição da SEAT. A nova marca foi concebida para cativar os entusiastas do automobilismo e caracteriza-se pelo design contemporâneo e pelo desempenho desportivo dos seus modelos baseados na electrificação. Após o lançamento dos Ateca e Leon, o construtor de automóveis apresentou o Cupra Formentor, o primeiro modelo especialmente concebido para a marca desportiva SEAT e fabricado em Martorell, na sua recém-inaugurada Cupra Garage.

 

Muito mais do que um fabricante de automóveis, uma empresa de tecnologia de mobilidade

Se a SEAT nasceu com o objectivo de democratizar a mobilidade em Espanha, nos últimos anos a empresa deu passos gigantescos para se tornar um prestador de serviços de mobilidade que vai além do fabrico de veículos, a fim de responder a uma das grandes tendências do futuro: a economia colaborativa, partilhada e sustentável. Neste sentido, em 2019 a SEAT foi designada como o centro de competência em micromobilidade para todo o Grupo e liderar a estratégia de novos produtos e serviços para a mobilidade urbana. Para o efeito, a empresa lançou a SEAT “Urban Mobility”, uma unidade de negócio estratégica em mobilidade urbana, e apresentou o “eScooter Concept”, a primeira moto SEAT, e o “eKickscooter Concept”, produtos aos quais se juntam a scooter eléctrica EXS KickscooterPor outro lado, como exemplo desta capacidade de reinvenção e transformação total, em 2019 a empresa criou um centro de excelência no desenvolvimento de software: SEAT:CODE. O novo laboratório trabalha para impulsionar duas grandes dimensões dentro do SEAT. Por um lado, procura continuar a impulsionar a transformação digital e aumentar a eficiência através da digitalização dos processos. Por outro lado, pretende reforçar os modelos de negócio em torno dos novos conceitos de mobilidade, conectividade e digitalização do automóvel, com especial enfoque no SEAT. Além disso, em 2020, a empresa vai inaugurar a nova CASA SEAT, um espaço no coração de Barcelona, que foi criado para prestar homenagem a Barcelona, a cidade que viu nascer a marca há 70 anos.  De referir que a SEAT alocou 1.259 milhões de euros a investimentos e despesas de I&D em 2019, dos quais 27 milhões de euros foram investidos directamente em iniciativas sustentáveis nas instalações de Martorell, com o objectivo de reduzir as emissões de CO2 e, graças a uma estratégia ambiental ambiciosa, tornar Martorell uma fábrica com emissões carbono zero até 2030.

 

Dos automóveis aos ventiladores

A SEAT está presente na vida das pessoas há 70 anos e também quis mostrar o seu compromisso com a sociedade e as suas necessidades numa época complexa Durante este período difícil, lançou várias iniciativas para combater o vírus. Especificamente, para produzir os materiais mais procurados pelos hospitais, tais como ventiladores. Uma equipa de 150 profissionais trabalhou durante semanas para desenvolver um protótipo, utilizando engrenagens impressas na SEAT, eixos da transmissão e o motor adaptado de um limpa pára-brisas do Leon. O resultado foi a produção de mais de 600 ventiladores de emergência, que foram enviados para hospitais em toda a Espanha. Um grão de areia para dar esperança no futuro, onde juntos voltaremos às ruas e estradas. Sentir, pouco a pouco, a liberdade.

SEAT celebra 70 anos