Download PDF

No próximo Verão chegam duas novas versões do Jazz, passando para três a escolha deste modelo. Entre a gasolina e a electrificação da gama (2022) existe uma metamorfose interessante de seguir. Por causa de um vírus foi cancelado o salão de Genéve, mas tal não nos impede de antecipar as características do novo Jazz, ao mesmo tempo que apresentamos o actual Jazz. Além das soluções híbridas (“full hybrid e:hev), a Honda fez evoluir o modelo para uma versão “Crosstar” numa silhueta que aproxima o Jazz dos benefícios de um SUV. Com comercialização agendada para o Verão (Julho) o novo Jazz e:HEV desempenha um papel fundamental no compromisso da Honda na electrificação da gama até 2022. Pela primeira vez, o Jazz será vendido exclusivamente em toda a Europa com uma motorização híbrida avançada.  O sistema e:HEV foi desenvolvido especificamente para o Jazz e projectado para oferecer uma experiência de condução agradável. Este sistema é composto por dois motores eléctricos conjugados com o gasolina DOHC i-VTEC de 1.5 litros, bateria de iões de lítio e uma inovadora transmissão de engrenagem fixa. A potência total é de 109 CV/80 kW e as acelerações de zero até aos 100 km/h de 9,4 segundos, atingindo uma velocidade máxima de 175 km/h. Este sistema híbrido de alta eficiência produz emissões de CO2 tão baixas como 102 g/km (em ciclo WLTP) e oferece consumos de apenas 4,5 l/100 km (em ciclo WLTP) no modelo base e 110 g/km (em ciclo WLTP) e 4,8 l/100 km (em ciclo WLTP) no Crosstar. Na motorização e:HEV existem três modos de condução: condução em modo eléctrico EV: a bateria de iões de lítio fornece energia diretamente ao motor de propulsão eléctrica; condução em modo híbrido, com o motor de combustão a fornecer energia ao motor-gerador eléctrico, que fornece energia ao motor eléctrico; condução convencional utilizando o motor a gasolina, directamente ligado às rodas através de uma embraiagem de bloqueio (“lock-up”).

 

Uma escolha funcional

No imediato e para quem não pretende seguir as novas tendências – leia-se tecnologias – e para quem tem um olhar funcional perante o automóvel, o actual Honda Jazz é proposto em 22 versões, cruzando motores, transmissões e equipamentos.  Num breve contacto ao volante fomos conhecer a 1.3 Elegance, sendo esta a base da simulação financeira abaixo apresentada. Num automóvel com pouco mais de quatro metros (4.028 mm) as cotas de habitabilidade deixaram-nos melhor impressão face às acessibilidades, que já consideramos boas. Na bagageira e em termos de volumetria, oscila entre os  354 a 1.314 litros conseguidos mediante rebatimento dos assentos traseiros, no caso da Honda designados como ‘bancos mágicos’. De facto, a facilidade com que se rebatem os assentos traseiros, contribui para a funcionalidade da utilização, deixando um fundo plano, facilmente acessível através da 5ª porta.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp

iuc

16.565,821.157,764.076,4221.800,00136,72

 

Entrada

Prazo

Km

Revisões

Docs

Pneus

Seguro

Renda €

0%

47 meses

100.000

sim

não

não

não

306,18*

*última renda 5.513,27 €

 

Para chegar aos comandos do Jazz, demos conta da boa acessibilidade e agradáveis cotas de habitabilidade, além dos diversos ajustes para quem se sentar ao volante. Para quem conduz, existem bons ângulos de visibilidade e a agradável sensibilidade ao volante, tanto ao toque como no manuseamento, que tornam este Honda num automóvel fácil de conduzir. No tocante à transmissão manual, demos conta de um bom escalonamento, e gostámos menos da precisão do selector, em especial em circulação urbana, na qual achámos melhor o desempenho do sistema CVT sem pedal de embraiagem. No que diz respeito ao desempenho do motor e como atrás referimos, esta versão 1.3 está orientada para quem não se preocupe com fichas técnicas, e esteja mais interessado nas características de funcionalidade. Com um valor de binário encontrado próximo do regime da ptência máxima, esta versão obriga a ‘fazer’ rotação, daí que para conseguir algum vivacidade, temos também algum ruído. No entanto, entre as 2.000 e 3.500 rpm a utilização do motor é agradável. Num breve contacto ao volante, obtivémos 5,7 litros/100 km à média de 25,0 km/h circulando essencialmente em percursos urbanos.

Gostámos –Gostámos +
– precisão do selector de transmissão manual– Habitabilidade e modularidade

– Comportamento dinâmico/facil conduzir

– Equipamento de série e segurança activa

– Conforto de rolamento

– Versatilidade de versões 

 

Características técnicas

Honda Jazz 1.3 i-VTEC Elegance
motor

4 cil, 1.318, DOHC, i-VTEC, Euro 6 D Temp

potência kW(cv)/rpm

75,0 (102,0)/6.000

binário Nm (kgm)/rpm

123,0 (12,0)/1.500

transmissão

dianteira, manual de seis relações

jantes – pneus16″ – 185/55 R 16

O trio de Jazz