Download PDF

O regresso do topo de gama da Toyota

Mais baixo e de frente mais afilada o Camry ocupa o lugar de topo de gama na Toyota

Após regresso do Corolla e volvidos 15 anos, a Toyota volta a comercializar o Camry. A oitava geração que chega ao mercado nacional, conta com muitas novidades! Uma nova plataforma (GA-K) que faz parte da nova filosofia (TGNA) que podemos traduzir como Nova Arquitectura Global da Toyota. Um motor da segunda geração dos híbridos da Toyota, que conjuga um 2.5 a gasolina com um motor eléctrico de 88 kW alimentados por baterias de hidretos metálicos de níquel. Uma transmissão de variação contínua (CVT) mas com possibilidade de pré-seleccionar os seis escalonamentos. E por fim mas não menos importante, uma nova carroçaria que se aproxima dos cinco metros (4.885 mm) a envolver um habitáculo espaçoso e bem equipado. Na bagageira, a volumetria deste quatro portas concede 524 litros (500 nos assentos traseiros reclináveis e de comando eléctrico), enquanto o rebatimento dos assentos traseiros deixa um espaço que pode ir até aos 2.030 mm de comprimento. No equipamento de série e além dos itens habituais, uma climatização – que de acordo com as informações do construtor – filtra as impurezas e pode hidratar a pele.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp

iuc

31.559,51

4.204,72

8.225,77

805,96

44.795,96

204,21

*inclui ecovalor e despesas administrativas

 

O Toyota Touch 2 com navegação, assentos envolventes, e os diversos sistemas de apoio à condução, garantem ao Camry um elevado nível de finalização

Disponível em três níveis de equipamento (Exclusive, Berlina e Limousine) o Camry tem igual número de visores. Um central táctil de 8” para as funções de áudio, bluetooth, envio e recepção de sms, “streaming” de música, navegação, entre outras funcionalidades do telemóvel ou “smartphone”. No centro do painel de instrumentos, um outro de 7” serve de suporte para informações do veículo e viagem, sendo algumas destas informações replicadas através de projecção no pára-brisas através de um espaço de 10”. Outras três escolhas estão à disposição de quem conduz (Eco, Normal e Sport) existindo outra escolha para circular apenas com o motor eléctrico (EV). Para complementar esta verdadeira montra tecnológica, a climatização pode disponibilizar o sistema “nanoe” num habitáculo que permite individualizar as temperaturas para os lugares nos assentos dianteiros (esquerdo e direito) e traseiros. O sistema de ar condicionado incorpora um sistema de tecnologia “nanoe”. Esta tecnologia de limpeza de ar funciona automaticamente quando a ventilação é ligada, libertando partículas de “nanoe” de 5 a 20 nm – iões carregados negativamente e envoltos em moléculas de água – no habitáculo através da entrada de ar do painel de bordo no lado do condutor. O teor de humidade é aproximadamente 1.000 vezes superior ao dos iões convencionais, enquanto as partículas têm propriedades levemente ácidas. Como resultado, as partículas têm um efeito suavemente hidratante na pele e cabelo, ao mesmo tempo que criam uma atmosfera interior viva e refrescante.

 

Entre nós o Camry nunca foi um modelo de grande sucesso. Todavia, os 19 milhões de unidades vendidas desde 1982, traduzem a importância deste modelo para a Toyota, que o continua a posicionar nos segmentos D/E ou seja, num feudo germânico. Daí o aguçar da nossa curiosidade quanto à ideia transmitida pelos japoneses: este é um modelo novo, iniciado da estaca zero. Aos comandos do Camry, são de imediato perceptíveis as inúmeras possibilidades para ajustar a posição de condução e a multiplicidade de comandos à mão de todos os passageiros, incluíndo os dos assentos traseiros que, entre outros, podem comandar a cortina do óculo traseiro. Quando se coloca o motor 2.5 em movimento, percebemos de imediato a boa filtragem, quer em termos de insonorização como de vibrações. As informações são de fácil leitura e gostámos da ergonomia dos comandos, com a maioria desenhada em torno de quem se sentar ao volante. Com bons ângulos de visibilidade para a frente e laterais, o Camry mitiga a redução dos ângulos de visibilidade para a traseira, mediante sensores de estacionamento e visualização das manobras, projectadas no visor central no painel.

 

Apesar das dimensões o Camry concede um bom diâmetro de viragem e um bom nível de insonorização, em especial ao utilizar o modo EV eléctrico

Nas primeiras manobras efectuadas numa garagem, demos conta do silêncio de funcionamento do motor eléctrico, que nos retirou do piso -5 para a rua. Nos primeiros quilómetros em circuito urbano e auto-estrada, demos conta da boa filtragem do motor a gasolina, tanto em termos de insonorização como de vibrações. Ao mesmo tempo, fomos dando conta das boas acelerações e reprises, e do funcionamento do acelerador automático adaptativo, que mantém a distância ao veículo da frente, seja por aceleração/desaceleração ou travagem autónoma. A indicação luminosa da entrada de veículos na zona dos ângulos-mortos nos retrovisores, a saída da faixa de rodagem e as diversas informações apresentadas a quem conduz, tornam interessante a condução do Camry. Quando em vez do modo “Eco” se escolhe o “Sport”, a motorização ganha eficácia, em especial nas reprises. Em termos de consumo de combustível, este oscilou entre os 6,2 a 8,3 litros/100 km, números interessantes se pensarmos num automóvel destas dimensões e 2.5 a … gasolina. Com efeito e de acordo com o já abordámos, o nível tecnológico da motorização é bastante elevado, ao ponto de ser possível passar do ‘automatismo’ da transmissão CVT para um modo manual e, a partir daí, aproveitar o efeito de travão-motor, ou gerir o regime do motor para melhorar as acelerações e reprises. No tocante ao comportamento dinâmico, destacamos a eficácia do sistema de travagem, em nossa opinião superior ao desempenho das suspensões independentes. Todavia, a qualidade e ergonomia dos assentos, garantem um elevado nível de conforto e agradabilidade na condução e utilização do Camry.

 

À imagem do que acontece com outros modelos Toyota (entretanto renovados) o Camry teve a designação mantida, quanto mais não seja pelo sucesso que conquistaram no mercado americano. Ao ocupar o posicionamento de topo de gama da Toyota entre nós, numa primeira análise poderíamos pensar que o Camry vem substituir o Avensis. Contudo, não é isso que acontece. O Camry é de facto o topo de gama da Toyota no mercado nacional. É um modelo novo com muitos sinais e sistemas que atestam a modernidade, e apesar da silhueta ‘convencional’, bastará olhar para o habitáculo para perceber que será tudo menos isso.

Gostámos –Gostámos +
– Suspensão traseira em mau piso– Comportamento dinâmico

– Economia de combustível/autonomia

– Sistemas de segurança e apoio à condução

– Conforto de rolamento

– Conectividade/Toyota Touch 2

Características técnicas

Toyota Camry 2.5 Hybrid Dynamic Force Exclusive
motor4 cil-16V, 2.487 cc, VVT-i, inj dir+inj indirecta, EGR,
potência kW(cv)/rpm100,0 (218,0)/
binário Nm (kgm)/rpm221,0 (21,7)/3.600~5.200
transmissãodianteira, CVT seis escalonamentos automatizados
jantes – pneus18” – 225/55 R 18

 

O regresso do topo de gama da Toyota