Download PDF

A renovação e o futuro do Daily

Num passado a quatro décadas de distância, a designação Daily entrou na gama da IVECO. Desde então, venceram três galardões do “International Van of the Year” – Furgão do Ano – e estabeleceram algumas referências no segmento dos ligeiros de mercadorias/passageiros. No final dos anos 70 foram os primeiros a apresentar suspensões independentes na frente. Em 1984 colocavam no mercado um furgão 4×4. Em finais dos anos 90, o gás natural tornou-se alternativa ao gasóleo, enquanto o sistema de conduta comum “common rail” – inicialmente desenvolvido pela Fiat com o Croma e posteriormente industrializado pela Bosch – passou a estar sob o capot do Daily. Sete anos depois, em 2006, foi a vez do controlo de estabilidade ESP e, em 2009, a marca italiana mostrou a primeira versão eléctrica, e o furgão pesado de cabina avançada. Em 2014 e com a transmissão automatizada Hi-Matic, abriram as portas às novas gerações de motores Euro 6, que começaram nos “blue power”, e chegam ao presente com o enquadramento Euro 6 D-temp. Por outras palavras e analisando as quatro décadas, podemos inferir que em mesmo número, existem fases distintas nos Daily: uma primeira em que se enaltecia a robustez; na segunda, já se enfatizava a durabilidade; na terceira, sublinhava-se a “performance”; e na quarta, é de versatilidade que se fala.

 

Da versatilidade às tendências

E por falar em presente, numa deslocação ao ‘quartel-general’ da marca em Torino-Italia, ficámos a saber que existe um novo “CEO” no Grupo, conhecemos o novo presidente da marca, que acumula esta tarefa com a da gestão dos veículos especiais, e fomos presentados com um novo modelo de apresentação de produto, na qual não faltou um breve contacto ao volante do renovado Daily. E dizemos renovado, porquanto a maior parte das novidades, não se encontram no veículo mas antes nos dispositivos agregados e sistemas acessórios. É evidente que existem diferenças estéticas entre os actual e anterior modelo, em especial nos grupos ópticos com “led”, grelha redesenhada e pára-choques frontal, com este último a adoptar uma solução conhecida dos camiões, ou seja a divisão em três partes, para conceder menores custos na reparação ou substituição.

Se por um lado as fases do Daily foram quatro, as tendências são cinco. Todavia, achamos que apenas três merecem destaque: a condução assistida e segurança; a vida a bordo e condução; a conectividade e personalização.

 

Na condução, destacamos o acelerador automático adaptativo, ao qual se juntam a travagem autónoma em caso de aproximação inusitada, e as assistências na saída da faixa de rodagem e ventos laterais. Na cabina e em torno do volante multifunções, o ênfase recai nos dispositivos destinados a facilitar a condução, tais como o travão eléctrico, a servo-assistência eléctrica na direcção, o visor central de 7”, a monitorização da pressão dos pneus e o “hi-connect”. Em termos de conectividade e personalização, a ligação ao portal “MyDaily”, o diagnóstico remoto e os relatórios de utilização, permitem um novo olhar e uma nova interpretação sobre a utilização do veículo. É para nós evidente, que a maior parte dos futuros utilizadores dos Daily, dará mais importância ao furgão do que aos ‘satélites’ quer estes sejam dispositivos, sistemas, agregados ou serviços. No entanto, acreditamos que alguns utilizadores, darão mais atenção a estes últimos. A possibilidade de isso acontecer, revela a modernidade das soluções e a disponibilidade da marca, ao estar em linha com o que de melhor se faz em matéria de soluções de transporte.

 

Os três lados da medalha

De uma forma geral, só se conhece a medalha e o respectivo reverso. Todavia, há medalhas que se conseguem colocar na vertical, ou seja consegue-se encontrar o terceiro lado na medalha. Para alguns utilizadores, a existência de um chassis-cabina ou furgão podem ser suficientes. Para outros, a transformação dos veículos e adaptação às respectivas actividades, revelam-se adequadas. Numa outra vertente de utilização, o que a marca italiana propõe é a ligação “online” do veículo a uma rede de diagnóstico, informação e comunicação. A opção de diagnóstico permite comunicar anomalias ou avarias e receber as soluções ou marcações de reparação. Mediante este processo, consegue-se economizar tempo precioso e quando o veículo chega à oficina, já se encontram efectuados o diagnóstico e a marcação de serviço. A nível de informação, podem ser comunicadas alterações ao tráfego, os melhores trajectos, as trocas de informação com os clientes ou gestão de frota, quer seja no seu todo ou veículo a veículo, além de todo o conjunto de informação que os “smartphone” proporcionam através dos “apple car play” e “android auto”. Em termos de comunicação e sem interferir na condução do veículo, o comando por voz abre as portas a uma panóplia de soluções, desde a utilização dos dados da viagem aos resultados operacionais.

 

Entre outros dados, é possível saber que o condutor atingiu 81% de rendimento na condução, à média de 38,5 km/h

Num breve contacto ao volante, tivémos a oportunidade de conduzir um chassis-cabina, e perceber o que os italianos pretendem demonstrar, quando decoraram os veículos com a frase: uma nova perspectiva de negócio. Dotado de transmissão automatizada “hi-matic” e acelerador automático adaptativo, cedo descobrimos as vantagens desta conjugação, à qual podem estar associados os controlos da velocidade em descida e de tracção. Uma das vantagens do sistema do AAAdaptativo, tem a ver com a manutenção da distância ao veículo da frente. Sem a intervenção de quem conduz, e mediante aceleração ou travagem, a distância é mantida de acordo com a pré-selecção dessa mesma distância, sendo que ao aumentar a distância de actuação do sistema, estamos a aumentar a tranquilidade com que conduzimos. Activo desde os 5 km/h e a funcionar até aos 50 km/h o “city brake pro” evita embates com o veículo da frente, sendo muito eficaz em percursos urbanos. Este sistema também permite circular no pára-arranca numa fila de trânsito, bastando premir ligeiramente o pedal do acelerador para o veículo iniciar o movimento. Com todos estes sistemas e de acordo com os dados dos transalpinos, é possível reduzir em 40% os acidentes.

A renovação e o futuro do Daily