Download PDF

Com 93 kg de peso, o Firefly 1.0 turbo teve estreia no 500 X, conjugando a injecção directa com o Multiair III e enquadramento Euro 6D-temp

Criado em 1957 por Dante Giacosa o 500 da Fiat cedo se tornou um sucesso. Com menos de três metros de comprimento, o modelo revolucionou o conceito do automóvel familiar e citadino em simultâneo. Volvidas seis décadas e em nossa opinião, o 500 é um dos melhor sucedidos projectos “rétro” sendo dos mais fiéis às linhas originais. No entanto, apesar do sucesso do modelo, a marca de Torino declinou o ‘original’ em vários modelos e versões. Por outras palavras e na gama 500, podemos encontrar do mais simples dos “cinquecento” ao ‘X’ com o Mjet II de 150cv+transmissão automática de nove relações e tracção integral. Depois de termos conduzido o Diesel já apresentado, um breve contacto ao volante, permitiu conhecer uma das novidades da gama: o Firefly 1.0 turbo de 120 cv com a terceira geração do Multiair e enquadramento Euro 6 D-temp.

No Cross que conduzimos, fomos encontrar um enriquecido equipamento de série, no qual destacamos as ligações Apple Card e Android Auto além dos serviços Uconnect Live no qual encontramos os Twitter ou Facebook. Em termos de segurança, seis “airbag” (condutor, passageiro, laterais dianteiros e cortina). Por fim mas não menos importante, somados os valores dos opcionais e deduzidos os de campanha, na configuração 1.0 Firefly 120 cv Cross, o valor final fica a 24.357 €. De sublinhar que nos opcionais, se incluem a iluminação “led” para faróis, luzes de cortesia+ambiente, rebatimento eléctrico nos retrovisores, entrada/arranque sem intervenção da chave, e alarme. Em termos de garantia e manutenções, estas estendem-se a cinco anos ou 75.000 km com intervalos de 15.000.

preço-base

isv

iva

despesas

pvp*

iuc

19.167,66

680,73

4.554,60

1.000,00

24.357,00

137,26

*inclui sgpu no valor de 4,20 €, 1.060,00 € opcionais e 3.000,00 € campanha

 

Uma das alíneas que contribuem para o sucesso dos SUV tem a ver com acessibilidades. Nesse capitulo o 500 X prima pelo bom acesso ao interior, alojando de forma satisfatória quatro adultos com 1,80 metros, num automóvel de menos de quatro metros e meio (4.269 mm). Com uma traseira do tipo ‘rabinho de bebé’ que tanto agrada ao universo feminino, o 500 X concede 350 litros na bagageira, modulável até aos 1.000 litros mediante rebatimento dos assentos traseiros.

 

 

 

Para quem conduz existem diversos ajustes, que incluem o apoio lombar com regulação eléctrica. O volante é regulável em altura e profundidade, contribuíndo para encontrar uma boa posição de condução e satisfatórios ângulos de visibilidade. Na versão que conduzimos demos por falta dos sensores dianteiros, sendo de grande utilidade a existência de sensores traseiros e visualização das manobras de marcha-atrás, projectada no visor táctil central de 7”. O mesmo que utilizamos para outros comandos e sub-menus como áudio, navegação e definições do automóvel.

 

 

Este 1.0 a gasolina concede dois andamentos distintos! Um para quem dá prioridade aos sistemas e outro para quem prefere explorar os 120 cv

Depois de premir o pedal de embraiagem e botão de arranque, o 1.0 turbo a gasolina de injecção directa+Multiair III, concede de imediato a sensação do silêncio de funcionamento. No entanto, os primeiros quilómetros evidenciam melhor filtragem das vibrações face à insonorização. Nos quilómetros seguintes, começamos a perceber o porquê, e são duas as razões: a faixa de utilização do motor permite chegar quase às 6.000 rpm; a terceira geração do sistema Multiair, faz variar as válvulas de admissão e optimiza a gestão do ar na admissão. Por outras palavras, este ‘X’ é apresentado com uma primeira relação ‘curta’ e por isso rapidamente se chega às 3.000~3500 rpm às quais corresponde um arranque progressivo e enérgico. Num automóvel em que a “prise” está próxima da 4ª com 1,116:1 o que acontece é que nas 2ª e 3ª relações, a rotação baixa das tais 3.000~3.500 rpm tornando os andamentos mais suaves e mais silenciosos. Em circuito urbano, esta característica pode ser apreciada, para quem não pense nos 120 cv e tome mais atenção aos sistemas de conectividade, conforto e segurança. Em estrada, e para quem aprecie uma condução mais focada na transmissão e no pedal do lado direito, este 500 X concede uma faixa de utilização que chega às 5.750 rpm. A vivacidade com que sobe de rotação – sempre com a intervenção da transmissão – concede andamentos vivos e entusiasmantes, com um bom equilíbrio dinâmico, conseguido através das suspensões e sistema de travagem. Em termos de consumo de combustível e à média de 28,0 km/h em percurso urbano, obtivémos 8,2 litros/100 km, valor muito próximo dos comunicados pelo construtor, que adianta valores de 5,8 a 6,0 litros/100 km nos consumos combinados.

Gostámos – Gostámos +
– ausência de sensores na frente

– diâmetro de viragem

– Comportamento dinâmico

– Equipamento de série e segurança activa

– Modularidade interior e arrumos

– Conforto de rolamento

– Conectividade e sistemas associados

Características técnicas

Fiat 500 X 1.0 Firefly turbo Cross

motor

3 cil-12 V, 999 cc, FGTurbo, Euro 6D-Temp

potência kW(cv)/rpm

88,0 (119,7)/5.750

binário Nm (kgm)/rpm

190,0 (18,7)/1.750

transmissão

dianteira, manual de seis relações

jantes – pneus

17” – 215/55 R 17