Download PDF

 

15-01-2017 – Ao longo da sua produtiva carreira desportiva, Pedro Bianchi Prata já demonstrou que não é piloto nem pessoa de baixar os braços. A poucos dias do Dakar 2017 arrancar tinha praticamente esgotado todos os esforços para mais uma participação na grande maratona sul-americana, quando lhe surgiu um convite irrecusável. Um convite e um desafio fantástico que permitiu ao actual campeão da europa de bajas, cumprir com êxito a sua nona presença na prova. Aos comandos de uma Honda CRF 450 Rally, uma moto fantástica que Pedro Bianchi Prata estreou praticamente no início do rali, o piloto tinha missões especificas para esta prova. Teve oportunidade de andar bem, mas também teve de o fazer de uma forma extremamente cuidadosa quando era sua missão entregar os seus pneus no melhor estado possível a Joan Barreda no final da primeira metade da etapa maratona. Também teve de se ‘aguentar’ com os pneus completamente desgastados, entregues pelo piloto espanhol para a jornada do dia seguinte, quando as pistas ficaram extremamente escorregadias, por causa das chuvas intensas.

Durante a prova, parou para rebocar o americano Ricky Brabec, e transportou 30 kg de material para serem utilizados na etapa maratona, além de dar assistência a todas as motos da Honda HRC. Muitas histórias irá por certo trazer para Portugal, mas seguramente o que ficará no currículo é que participou com sucesso no Dakar 2017, pela nona vez. No final o piloto comentou: chegámos a Buenos Aires depois de uma ligação dura de 700 quilómetros. Muita gente à espera da caravana do Dakar mesmo que a competição já tenha terminado. É isto o Dakar. Na especial que se realizou no inicio da etapa tive de esperar quase uma hora pelos pilotos da equipa (a partida foi dada pela ordem inversa) mas esse é o meu trabalho. Cumpri a minha função e está feito mais um Dakar. Nove Dakar começados, nove Dakar acabados. Muito obrigado a todos os que me apoiaram.