Download PDF

O Grand Scenic é considerado classe 1 quando equipado com via verde

Na gama da marca francesa o Grand Scenic é, sem margem para dúvidas, o monovolume com mais “Espace”. Todavia, face ao MPV de referência na Renault, este sete lugares é mais pequeno e em todas as cotas. No entanto, concede bons acessos e boa habitabilidade, nas primeiras e segunda filas de assentos, enquanto na terceira fila, os dois lugares se encontram um pouco condicionados, tanto no acesso como no espaço para as pernas. No tocante à volumetria da bagageira, o Grand Scénic concede 189 ou 583 dm³ (233 ou 596 litros) consoante utilização em sete ou cinco lugares, aos quais correspondem 419 e 1.074 mm medidos no comprimento disponível na bagageira. No que diz respeito à modularidade, o rebatimento dos assentos traseiros está disponível mediante uma ligeira pressão em botões, e o mesmo acontece para recolher os encostos de cabeça. De igual forma como acontece na generalidade dos automóveis, os lugares dianteiros são os melhores. Têm acesso a mais espaços de arrumos, à conectividade RLink2 em visor de 8,7”, e um porta-luvas generoso que abre como uma gaveta com 11,5 litros de capacidade. Para quem se sentar ao volante, 160 cv disponíveis e a transmissão EDC.

Preço-base

ISV

IVA

Despesas

pvp

IUC

29.251,50

4.691,59

7.806,91

41.750,00

176,72

Para quem está familiarizado com as soluções da gama, irá encontrar muitos elementos presentes nos Mégane, Talsiman e Espace, ainda que o Grand Scenic seja diferente em alguns aspectos, como os espaços para arrumos dedicados ou as portas USB. Disponível em configurações de cinco ou sete lugares o “Grand” tem mais 240 mm face ao Scénic, daí as melhores cotas de habitabilidade e volumetria na bagageira. Em altura e face ao anterior modelo, a 4ª geração cresceu em altura (+ 15 mm) e distância ao solo (30 mm). Mais estilizado, o novo Grand Scenic também cresceu no comprimento (+75 mm) e largura (+ 20 mm) sendo estas cotas acompanhadas pelo aumento das vias e da distância da via dianteira à frente do veículo (+ 46 mm). O resultado prático deste aumento de cotas e como já foi referido, reflecte-se na habitabilidade. Todavia, o comportamento dinâmico recolhe grandes benefícios da nova plataforma, à qual se juntam uma série de sistemas de assistência à condução e segurança activa. São disso exemplo a travagem activa e a detecção de peões. Outra das características que sublinha a exclusividade, tem a ver com a adopção de jantes de 20” as únicas que estão disponíveis.

No interior os espaços para arrumos totalizam 63 litros

Ao volante do SPA

De certa forma podemos dizer que a condução do Grand Scenic é semelhante a estar num “SPA”. A assistência eléctrica da direcção, contribui para o ‘S’ da suavidade e boa manobrabilidade. O Diesel acoplado à transmissão automatizada, contribui para o ‘P’ da potência que está sempre disponível, graças ao bom escalonamento da transmissão. E quanto ao ‘A’ esta serve para identificar a ambivalência da utilização, quer da condução como dos sistemas de segurança.

Para quem se senta ao volante, existem múltiplos ajustes e funções, dentre os quais se destacam a climatização dos assentos dianteiros e escolha de massagem. Encontrar uma boa posição de condução é fácil, mas as novas formas do Grand Scenic, não se mostraram muito generosas em alguns ângulos de visibilidade. No entanto, as assistências dos sensores e visualização da marcha-atrás, mitigam os tais ângulos. Os comandos estão bem posicionados e o R-Link 2 está mais intuitivo. No entanto, em nossa opinião, poderia estar mais e ao nível do que alguns concorrentes já proporcionam. Num breve contacto ao volante e no habitual percurso misto (AE+EN+Urbano) obtivémos o consumo de 6,4 l/100 km à média de 47,9 km/h.

Com um bom conforto de rolamento, o Grand Scenic permite a configuração de acordo com as preferências de utilização: economia, conforto ou desportiva. Em cada uma destas a informação no painel é a correspondente para cada escolha, ficando o registo da condução para consulta posterior.

Gostámos –

Gostámos +

– alguns ângulos de visibilidade

– jantes 20” em exclusivo

– Conforto de rolamento

– Comportamento dinâmico

– Equipamento de série e segurança activa

– Modularidade no habitáculo e arrumos

– Motorização e gestão do veículo

Ficha técnica

Renault Grand Scenic Energy 160 Dci twin turbo EDC

motor

1.6 Dci Euro 6, CR+Turbo+FP

potência kW(cv)/rpm

118 (160)/4.000

binário Nm(kgm)/rpm

380 (37,2)/1.750

transmissão

Dianteira, automatizada de seis relações

jantes – pneus

20” – 195/55 R 20