Download PDF

Ambiente para todos

Clicar para começar e parar a reprodução das imagensAo mesmo tempo que mostraram a disponibilidade para cumprir as exigências ambientais, os alemães da MAN mostraram uma parte da gama Euro 6, destacando três modelos: o TGS 440, o TGX 480 e TGL 290. Por outras palavras, permitiram que num breve contacto ao volante, pudéssemos conduzir uma versão configurada para o médio e longo curso, outra para o longo curso e destinada a clientes mais exigentes, e uma outra dedicada à distribuição. Não conduzimos mas vimos uma das novas configurações, a cabina dupla, e ficámos a conhecer algumas engenhosas soluções.

Evolução positiva

Por fora é preciso um olhar de bom entendedor, para dar conta das alterações estéticas que acompanham estes Euro 6, enquanto no interior, algumas soluções engenhosas permitem encontrar uma melhor gestão do espaço e arrumos. É o que acontece com o indicador de combustível e de AdBlue. Para saber qual o nível, basta premir um botão. Se a bomba de abastecimento aparecer branca e do lado direito, estamos a falar do nível de gasóleo. Se a bomba de abastecimento aparecer azul e do lado esquerdo do indicador, estaremos a falar de nível de AdBlue.
Em termos de novidades ao nível do habitáculo, encontramos nos Euro 6 da MAN o indicador de saída de estrada (opcional) na gama média, enquanto o sistema de travagem de emergência EBA, passará a estar em todos os modelos TG a partir da produção de Julho deste ano.
No tocante à mecânica, continuamos a encontrar o pós-tratamento de gases de escape e a recirculação destes, num motor com gestão electrónica, injecção por conduta comum, sobrealimentação a duas fases, conversor catalítico por oxidação e filtro de partículas.

Talhado para a distribuição

Um dos modelos que conduzimos foi o 15.290 e nas primeiras impressões, demos com uma cabina renovada, comandos mais ergonómicos e um eficiente funcionamento da climatização. Por outras palavras, em nossa opinião, este MAN evolui mais no interior do que no exterior, no qual se identificam as conjugações cromáticas para evidenciar as alterações estéticas. Logo que o motor se colocou em funcionamento, achámos barulhento mas segundos depois, tanto as vibrações como o ruído desapareceram e passamos a dispor de um veículo com uma condução fácil. A disponibilidade de binário a baixos regimes, uma direcção suave e um selector preciso, facilitam a condução e de facto, vão ao encontro das vocações deste veículo.

440 cv para o TGS

De seguida passámos à condução do modelo cujas configurações de cabina, podem fazer pensar num camião de médio/longo curso. Também neste caso apreciámos os interiores, os materiais utilizados, a finalização e o espaço de arrumos. Quanto ao 440 cv que tivémos oportunidade de conduzir em percurso urbano e auto-estrada, revelou-se com boa elasticidade no tocante à utilização e logo por volta das 1.000 rpm é possível obter bons valores de aceleração, mesmo quando se rola num conjunto de 40 toneladas. Parte deste comportamento, é também conseguido com a eficiência dos sistemas de retardamento (retardador ou travão-motor) que isolados ou em conjunto, fazem maravilhas quando se pretende parar, sendo que na maior parte dos casos não é necessário recorrer aos travões de disco, também estes muito eficientes.

480 cv no TGX

Depois de conduzir o TGS de 440 cv passámos ao 480 TGX que conduzimos essencialmente em auto-estrada. No entanto, um curto percurso urbano deu para perceber as diferenças deste camião, talhado para o longo curso, mas destinado a um condutor mais exigente. Face ao TGS é evidente que o TGX está muito melhor insonorizado e que o conforto de rolamento é muito superior. E o mesmo acontece com o espaço na cabina, em especial nas áreas de arrumos ou repouso. Em termos práticos, na condução, não demos conta de grandes diferenças. A transmissão automática é tão eficaz como a do TGS, tanto em termos de suavidade como de escalonamento. De igual forma como aconteceu nos restantes modelos que conduzimos, gostámos da ergonomia destes renovados MAN e do conforto de rolamento, cuja expressão máxima se encontra no TGX.