Download PDF

16YM CRF1000L Africa Twin

Honda CRF 1000 L Africa Twin

Disponível em três versões, a nova Africa Twin é um verdadeiro “cocktail” de tecnologias Honda. A mais acessível é a versão-base, enquanto os mais exigentes podem escolher o ABS. Para os mais requintados, o DCT específico para este modelo.    

O gosto pela aventura é um dos motes que os japoneses escolheram para identificar a Africa Twin. A sigla CRF dá uma ajuda, e saber que há partilha de tecnologias com a Fireblade, configura mais um atributo. No tocante ao V2 de 95 cv, este bloco é uma autêntica ‘salada de frutas’ das tecnologias da marca japonesa. Quando medido na longitudinal, este 998 cc

16YM CRF1000L Africa Twin

Para satisfação dos puristas, o controlo de tracção e o ABS podem ser desligados.

tem a mesma dimensão do bloco da CBR500 R. A cambota está desfasada a 270º, a cabeça Unicam adopta a solução de quatro válvulas e duas velas por cilindro, com um veio de ressaltos no comando. No tocante à lubrificação, o engenho levou a uma solução de compromisso entre o convencional e o sistema de carter seco. E por fim mas não menos importante, as vibrações são mitigadas a dois níveis: as de inércia e as de acoplamento, ambas conseguidas mediante veios de equilíbrio biaxiais. A suspensão dianteira invertida na frente, o mono-amortecedor regulável na traseira, a disponibilidade do DCT em alternativa à transmissão podal e a iluminação por “leds”, são sinais de modernidade. E se por um lado, concedemos à Africa Twin o poder de sedução por via da modernidade, por outro lado, não podemos deixar de referir o encanto que reside na versatilidade de utilização.

 

PVP

ISV

IVA

Despesas

Chave na mão

IUC

 13.000,00  260,98  —  123,08

 

16YM CRF1000L Africa Twin

A altura ao solo pode variar 20 mm e concede alturas de 850 ou 870 mm

Apesar de conceder uma variação de 20 mm na altura do banco ao solo (870 ou 850 mm), a Africa Twin é uma moto alta, pelo que entrar ou sair da moto exige alguma flexibilidade. O guiador largo e o formato do depósito (18,8 litros) concedem um encaixe perfeito, enquanto a forma do banco, facilita as movimentações. O painel de instrumentos permite boa leitura e concede as informações básicas para a condução e viagem. Gostámos da posição dos comandos, que incluem o botão para desligar o ABS, e seria bom poder contar com os indicadores de direcção automáticos. Os números que indicam a velocidade e relação engrenada, concedem boa visibilidade, e o mesmo acontece com os espelhos retrovisores, ainda que condicionada em alguns ângulos. Está disponível uma gama de acessórios que inclui: Top box, malas laterais, écran escuro, écran mais alto, deflectores de vento, pedal de mudanças para versão DCT, punhos aquecidos, tomada 12V, barras de protecção e luzes de nevoeiro, autocolantes para jantes e sistema de alarme.

Multiusos sobre rodas

16YM CRF1000L Africa Twin

O painel de instrumentos concede fácil leitura, em especial para a velocidade e relação engrenada

Aos comandos da Africa Twin, as primeiras impressões apontam para a notável versatilidade desta moto, sendo que para isso contribui, e muito, a grande disponibilidade do motor, logo acima das 2.000 rpm. Acima deste regime, concede uma elasticidade notável, sempre em pleno no tocante às acelerações e reprises. As seis relações, nunca comprometem o engrenamento, mesmo quando as solicitamos em ‘directas’ para injectar cavalos na roda traseira. E quando se enrola punho, a alma deste V2 é uma agradável surpresa, por duas razões! Por um lado, as acelerações e reprises são muito progressivas. E nos andamentos médios, ficámos com a ideia de que o motor nunca esgota. Por outro lado, entre sonoridade e vibrações, só passa a primeira. A forma como estão filtradas as vibrações do motor, deixou-nos a melhor das impressões. O som do escape e a forma reactiva como a moto responde, identifica claramente o ADN desta moto, cuja travagem também nos deixou a melhor das impressões.

 

 

Gostámos – Gostámos +
– Ângulos de visibilidade nos retrovisores – Disponibilidade do motor

– Consumos de combustível

– Eficiência da travagem e ABS

– Conforto de rolamento

– Facilidade de utilização/comandos

 

Ficha técnica

Honda CRF 1000 L
motor V2, 998 cc, 4V/cil, 2 velas/cilindro, SOHC
Potência kW(cv)/rpm 70 (95)/7.500
Binário Nm(kgm)/rpm 98 (96)/6.000
transmissão 6 relações
jantes/pneus 21 ft e 18” atrás + 150/70 ft 18 + 90/90 atrás